4.02.2008

Dizeres VII

Havia entre nós um espaço enorme onde morar.
Erguemos copos de um vinho bom. Celebramos a fantasia de uma solidão adiada, ressentida. Num tempo que se quer sem curvas, que se quer intenso, que se quer por mais. Sem subterfúgios. Sem vincos de um passado alojado por entre a alma e a pele.
Havia uma janela aberta a uma madrugada feliz, havia a ternura de ver crescer o que se plantou. Havia muito sol poente em horizontes de azul. Havia uma imensidão de sonhos por cumprir.

Entre nós havia um espaço enorme onde morar!...

7 comments:

Dalaila said...

és a minha morada!

shiuuuu said...

Convido-te a participares e a aceitares o desafio do Shiuuuu.

Paulo Silva said...

Parabens mais uma vx.. simples e fantastico!!

Jus d'espoir said...

Haverá sempre luz nesse espaço...
Parabéns pelo belo texto.

Lavínia Matos said...

Fantástico! Há muito tempo que não lia um poema tão belo e intenso. beijo

Luís Filipe C.T.Coutinho said...

a distância de um desejo... de uma vontade... de um toque...de um beijo



beijos

Anonymous said...

Que silêncio! Quando te voltaremos a ouvir? Fazem-me falta as tuas palavras...
Mare